Crise : Piora da economia nervosa já atinge mercado imobiliário.

No mercado imobiliário, os principais indicadores apresentaram em maio recuo para os imóveis novos, segundo pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon-MG). Para se ter ideia, o volume de vendas de imóveis na capital teve queda de 75,4% em maio, passando de 313 para 77 unidades, e também na velocidade de vendas, cujo índice retraiu de 14,76%, em abril, para 4,12% em maio. Como o número de apartamentos vendidos em maio foi superior ao de lançamentos, o estoque de imóveis diminuiu para 1.790, frente às 1.808 unidades que estavam disponíveis em abril. Segundo o Sinduscon-MG, esse movimento sinaliza que o segmento imobiliário não está passando ileso diante do cenário econômico mais desfavorável.

De acordo com as imobiliárias, o preço do metro quadrado de uma unidade nova na capital chega a custar R$ 12 mil em bairros nobres da Zona Sul, como o Bairro de Lourdes. Já para apartamentos de até 15 anos de alto luxo esse valor cai para R$ 8,5 mil, queda de 29%. “Os seminovos e os usados não sofreram baixa de venda”, afirma Luiz Antônio Rodrigues, presidente da LAR Imóveis. As unidades novas, no entanto, têm preço de mercado estipulado pelo proprietário. “E nos lançamentos, o comprador coloca o pé no freio e espera. Os clientes não estão tão desesperados para comprar”, observa. Ele acredita até mesmo em pequeno reajuste de preço dos imóveis usados até o fim do ano.
 

Comentários