Varejo – Qual a surpresa que O laboratório Fleury prepara em Belém?


Eles estão entre os maiores do Brasil e desde o final do ano passado decidiram por um plano ambicioso de expansão.  Seja na abertura de novas operações pelo Brasil ou mesmo na compra de concorrentes. 

O apetite do Fleury é proporcional a crise, que, se por um lado mete medo, por outro, abre enormes possibilidades.  A empresa ficou seis anos fazendo ajustes internos e acabou dando espaço a concorrência. 

Por isso a resposta deve ser do tamanho do tempo perdido.
Com o sócio americano, o fundo americano Advent, O Fleury prepara o desembarque em Belém. Motivos para a apostar no mercado paraense não faltam.

O mercado em Belém, pro exemplo tem dois grandes players, o Amaral Costa e o Paulo Azevedo, e outros menores. O mercado pede mais concorrência e é neste espaço que o Fleury deve entrar.  

Belém deve ter parte das 90 novas unidades previstas até 2021. Lojas próprias, ou talvez a compra de um laboratório já instalado. Sim isto é possível. Dentro da estratégia adotada pela gestão do Fleury, estão em análises a aquisição de 15 a 20 laboratórios de pequeno porte pelo país.

Dinheiro para isso , tem de sobra. A empresa registrou um líquido de R$ 81,5 milhões no primeiro trimestre de 2017, o que representa um aumento de 82,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita cresceu 15,7% para R$ 587,7 milhões.
Para o mercado imobiliário local, uma disputa acirrada por pontos bem localizados e com bom estacionamento. Ítem fundamental para o sucesso deste tipo de negócio.

Comentários