Salinas: Agosto pode chegar com anúncio da revolução do petróleo

A Petrobrás e a OGX de Eike Batista, asob a tutela de técnicos da Universidade Federal do Pará, podem produzir no Pará a maior revolução desde o ciclo da borracha. A confirmação de Petróleo em escala comercial no litoral pode ser o marco que faltava. 

Os com pouco mais de 40 anos, se lembram que em 1986, o então presidente José Sarney chegou a confirmar a existência da maior bacia petrolífera do planeta na foz do Amazonas. Uma semana depois, misteriosamente, " desanunciou " tudo. 

É impensável que as grande bacias produtoras estejam nas fozes dos grandes rios, mas misteriosamente, não estaria na foz do maior deles. parece ter sido uma joga estratégica. Ou não se tinha condições de exploração na época, ou se preferiu deixar pra depois em razao de interesses de grupos. 

Para o mercado imobiliário, seria a redenção de cidades como Salinas. A montagem de uma base da UFPa e a necessidade de base física para trabalahdores de plataformas obrigaria uma tranaformação radical no perfil da cidade. Mais do que turismo, a cidade passaria a ser uma cidade como qualquer outra, com os apelos naturais, que fariam muitos adotarem a atlântica para morar ou em busca dos grande negócios gerados a partir dessa movimentação. 

Para o Pará, o anúncio de petróleo às vésperas do plebiscito que prevê a divisão do estado pode ser o trunfo nas mãos dos que desejam a unidade. É o ás na manga contra quem diz que o sudeste é rico graças aos seus minerais. Com o litoral tão rico quanto o sudeste, muita coisa pode mudar nas referências nos próximos seis meses. Vai depender tudo dos resultados que a Peterobrás, vai querer, ou vai poder divulgar em agosto. Olho vivo.       

O tema vem sendo esperado desde janeiro como se pode ver aqui

Comentários

Anônimo disse…
Li uma reportagem sobre o Eike e lá dizia quemuitas oportunidades que ele passou a explorar vieram de segredos comerciais revelados pelo próprio pai dele, que foi presidente da Vale. Verdade ou não, quem sabe Salinas? Aliás, SM, o petróleo vai pro Maranhão, né?
Amigo. estive recentemente em São Luis. Eles tem a refinaria da Petrobrás como certa e o mercado imobiliário de lá é baseado hoje, mais no dinheiro movimentado pelos funcionários da vale e pelas possibilidades do óleo. Dizem que serão 3 mil funcionários da Petrobrás pra gastar por lá. Uma cidade pobre que vive desses negócios. mas não custa alertar e chamar atenção para que se brigue por uma fatia. Ou vai se reclamar e ficar esperando a ação de políticos cada vez mais ausentes em situações como essa? Viva a indignação....