Remo pode negociar área do Carrossel

Passada a polêmica de negociação de toda a área do Estádio Baenão, no ano passado para pagar dívidas trabalhistas, a nova diretoria azulina parece que desta vez deve acertar a mão.

Antes de se desfazer do patrimônio, impossível de reconquistar se perdido, parceria num sistema de comodato. Três empresas devem apresentar propostas nesse sentido para a ocupação dos pouco mais de 3.000m2 do Carrossel.

Pelo modelo, a empresa vencedora construiria na área com fins de locação e o Remo, que seguiria dono, teria parte dessa receita, exatamente da mesma forma feita com América, Curzeiro e Atlético de Minas. 

Depois de 20 anos, o patrimônio seria devolvido ao clube que poderá então ter a renda total do negócio. Sem perder o que já tem, o sistema permite reforço de caixa e menos resistência dos conselheiros para uma definição.  

Comentários

Rico disse…
Sou a favor da venda do terreno inteiro do Baenão, para construção de um estádio novo, ou então umanegociação igual a que iria ser feita ano passado.
Dessa maneira ai,o Remo irá continuar com um estádio minúsculo e feio, sem poder aumentar, pois o único espaço que resta é o carrossel.

Eu queria tanto ver o Remo com uma arena nova, e um CT!!!
Lobeko disse…
Nossa vai ser muito bom se o remo fechar esse negocio, grana entrando pro clube = elenco forte , e com um elenco forte o remo pode conseguir seus acessos, vejo q daki a dois anos meu leão estará na série B, e se esse negocio for concretizado e com mais dinheiro de patrocinio q uma serie B oferece, acho q o remo vai ser forte canditado ao acesso da primeirona.