Espanha: mercado desaba e pode piorar com ataque especulativo

A bolha imobiliária espanhola guarda semelhanças com a americana, mas suas consequências vêm se arrastando por mais tempo. As caixas de poupança regionais são as maiores detentoras dos créditos ruins e resistem em reconhecer rapidamente as perdas de valor dos imóveis, como ocorreu nos Estados Unidos.

Daniel Sibina, corretor imobiliário no bairro de Pobleneu, em Barcelona, é um homem de sorte. Escapou da estatística de 20% de desemprego que aflige a população espanhola e se mantém no setor mais atingido pela crise.

Sibina vende lofts no projeto Pasatge Del Sucre, que subdividiu as instalações de uma antiga fábrica em 28 unidades residenciais. Desde que a construtora terminou a obra, em maio do ano passado, só vendeu dez dos 28 apartamentos, depois de reduzir o preço original de e 600 mil para e 450 mil.

A renda do corretor de 31 anos caiu. “Quando eu trabalhava numa imobiliária, antes da crise, vendia dois ou três apartamentos por mês. Hoje fico feliz se vender um”, afirma Sibina.

Comentários