Oportunidades: Maior Porto do Brasil, em Belém, pode ser bola da vez no mercado

O abandonado porto da Sotave, uma antiga empresa de fertilizantes, pode se transformar no maior porto graneleiro do país. A notícia, que depende da aprovação de R$ 660 milhões, pelo governo federal, permitirá o embaque de 18 milhões de toneladas/ano para uma operação já em 2014.

Isso interessa muito ao chamado Custo Brasil, uma vez que os grãos do centro oeste tem tranporte muito caro até os portos do sul/sudeste, o que por aqui, misturando transporte fluvial e marítimo, poderia reduzir bastante, dando competitividade a safra.

Além dessa análise macro-econômica, o novo porto, que desbancaria o Porto de Paranaguá, no Paraná, deve fazer explodir o mercado imobiliário na ilha de Caratateua, onde fica o distrito de Outeiro, na capital paraense.

Além de uma ocupação desordenada, a ilha já é palco de dois condomínios Alphaville, que tem outros três operações prontas para serem comercializadas, assim que o anúncio for confirmado. Isso porque, um dos gargalos da região é a infraestrutura. Uma ponte modeste e um sistema viário deficiente unem a ilha ao continente, o que deve mudar com a operação portuária.

Mais que isso, outras quatro grandes áreas vizinhas, podem atrair projetos semelhantes. Além disso, dotar Caratateua de uma infra adequada, vai permitir sonhar com a ponte para Mosqueiro. A ilha vizinha, quatro vezes maior, também faz parte da região insular de Belém e está 60% desocupada, o que é um prato cheio para um mercado ávido por grandes áreas e consumidores por regiões planejadas que ofereçam mais qualidade de vida.

Vem ai uma revolução. Para como isso começa com o porto, leia aqui

Comentários