Curuzu pode ter mesmo destino do Baenão

A juíza trabalhista Ida Selene, que conduz o processo de venda do Baenão para o pagamento de dívidas trabalhistas já avisou. O Paysandu pode viver o mesmo drama dos azulinos ainda este ano.

Tanto a Sede Social , quando os 12.000 m2 do Estádio Leonidas Castro - na Almirante Barroso, a uma quadra do rival Remo estão penhorados. A dívida original soma mais de R$ 10 milhões e chega a ser maior que a dos azulinos que é de pouco mais de R$ 8 milhões.

Superado a barreira e a mística de que estádio de clube popular não ia a leilão, a Curuzú promete ser a bola da vez.  

Comentários